Recuperando Minhocas e Outras Iscas de Silicone

©Matéria publicada pela primeira vez no Fórum Pescaki, há muito tempo, precisamente em 16/05/2007, quando a técnica era ainda desconhecida pela maior parte dos pescadores que usavam este tipo de isca, levada mais tarde também para a Revista Pesca & Companhia. Na época não havia moldes fechados prontos para se comprar tal como hoje se encontram, de maneira que este era o único artifício que eu tinha para recuperar minhas tão valiosas minhocas, raras no mercado.

Bome

Ah, o espírito humano! Ao ter paixão por algo, não descansa se não der asas à imaginação!

Assim é com a paixão pela pesca! Damos asas à nossa imaginação de maneira a ocupar nosso tempo fazendo “coisinhas” que nos agradam, relacionadas à pesca.

Isso sempre fazemos naqueles dias em que não podemos sair para pescar, seja por conta de obrigacões que o impeçam, seja por outros fatores como dias chuvosos, quando necessitamos acalmar à alma de pescador.

Para dias assim, ensinaremos algo que poderá ser feito por qualquer pescador, desde que esteja pronto a aceitar alguma ou outra regra de segurança e tenha a devida paciência para chegar a um resultado no mínimo, aceitável.

Falamos de recuperação de minhocas de silicone velhas ou já danificadas, as quais já não mais utilizemos diariamente porque já não servem para nada.

Conveniente é recordar que do procedimento que aqui vamos ver costumam resultar novas minhocas cuja qualidade e acabamento, apesar de boas, não se aproximam nem de longe do acabamento das originais. Todavia, é claro que costumam responder com a esperada eficiência, pois se não fosse por isso, seria pura idiotice recuperá-las.

Cumpre também dizer que isso não se faz por economia ou avareza, porque não compensaria todo esse trabalho. Se fosse somente por isso, melhor seria comprar novas minhocas. Todavia, fazê-las manufaturadas, proporciona um prazer todo especial ao pescador!

A recordar também que hão de ser tomadas algumas medidas de precaução para não ocorrer acidentes, pois estaremos trabalhando com fogo e anilinas. Fogo, sempre perigoso, deve ser utilizado com cuidado para não trazer danos; anilinas, ainda que estas aqui usadas sejam caseiras, por algo de toxicidade que trazem, requerem uso de luvas e máscaras. A falta de luvas se compensa com um maior cuidado na hora de lavar as mãos. Todavia, a máscara, a vemos imprescindível.

Uma vez tudo bem explicado, passemos para a recuperação das minhocas.

Material necessário:

Minhocas novas e preservadas, que consideremos nossos coringas na pesca (serão as matrizes para o molde);

=> Gêsso branco;
=> Uma vasilha de plástico para por e preparar o gêsso;
=> Uma caçarola pequena;
=> Água para desfazer o gêsso;
=> Minhocas velhas e/ou danificadas;
=> Uma tesoura;
=> Uma fonte de fogo;
=> Um isqueiro.

Primeiro, desfazer o gêsso em água para que fique bem pastoso.

Lubrificar com azeite as minhocas novas que usaremos de molde, para, em seguida, afundá-las no gêsso até que se possa ver somente uma pequena superfície fora do gêsso (essa será a “barriga” da minhoca). Esperar até que o gêsso se solidifique. Após a solidificação, retirar cuidadosamente as minhocas matrizes, deixando seu ôco no gêsso.

Enquanto seca o gêsso, pegamos todas as minhocas velhas e danificadas pelas lutas com os “diabinhos verdes” e as picamos em diminutos pedacinhos com a ajuda de uma tesoura. Isso é necesário para facilitar o derretimento do silicone sem que venha a queimar.

Depois de picar as minhocas, colocá-las em uma panelinha para derretê-las. Esta etapa é um pouquinho complicada, mas se a fizermos com cuidado, há de resultar tudo bem feito. É que se o derretimento for muito rápido o silicone se queimará. Assim, o que tem de ser feito, é colocar a panelinha sobre o fogo, deixando-a por algum tempo, mas retirando-a por alguns segundos, tornando a deixá-la sobre o fogo novamente e assim, sucessivamente, até que o material comece a derreter. É muito importante que se vá movimentando a panelinha em círculos fazendo com que o líquido se mova sem parar dentro da vasilha, de manera a não ficar muito tempo no mesmo lugar para não queimar.

Uma vez esclarecida a maneira de fazer todo o trabalho, nada melhor que algumas fotos para que se comprendam bem os passos a seguir:

O gêsso e as minhocas matrizes

O gêsso já preparado para receber as matrizes

Matrizes já afundadas no gêsso

Depois da solidificação do gêsso, vamos retirando as matrizes com cuidado, pouco a pouco, sem pressa.

L7A4UZk.jpg

Uma por vez

Outra

E outra mais

Aqui, o molde já concluído

Agora, a picar as minhocas velhas, deixando-as assim e colocando-as na pequena panela

E colocando bastante sal

Depois de levar a caçarola ao fogo, tomando-se muito cuidado para não queimar-se o silicone, vamos dando movimento circular, deixando a mistura escorrer de um lado para outro, sempre em movimento, até que comece a derreter e não reste uma partícula sólida, ficando como um líquido uniforme. Isso requer cuidado porque esse líquido estará muito, mas muito quente, de maneira a queimar-se seriamente quem não tome os devidos cuidados.

Em seguida, derramamos o líquido na forma, sempre com muito cuidado

DRkI931.jpg
QAwIrEr.jpg
HLIR7Gz.jpg

Por fim, teremos as minhocas já concluídas na forma

BRsxLL6.jpg

Agora, a retirá-las da forma, com cuidado. Se necessário, empregamos um palito para começar a retirar a pontinha das minhocas, mas depois seguir com as mãos para que o palito não as danifique

ZgJRWht.jpg
Lu8XjjR.jpg

Aqui, podemos ver que ficam rebarbas que precisam ser retiradas com ajuda de uma tesoura

29AxM6q.jpg

Retirando rebarbas com a tesoura

ZdD5Fqf.jpg

Depois de retirar as rebarbas, usamos um isqueiro para queimar as rebarbas microscópicas que ainda restem.

1q0tTMl.jpg

Dando um acabamento melhor, sobretudo na parte lisa, que não tem os anéis

E até que o resultado final não é tão ruim, não é mesmo!?

Aqui cada uma com sua matriz ao lado. Abaixo de cada uma, sua original.

GSf1HFx.jpg

Resultando de que foram todas fundidas juntas, a cor resulta sempre marrom, demandando tingir as minhocas.

Agora, a tingí-las com anilina caseira à alcool. Recomendo não utilizar anilina industrial por conta de que é muito mais tóxica que a caseira. Dessas, caseiras, encontramos em lojas de ferramentas.

Dissolvemos a anilina em um pouco de água (uns 300 ml ou o volume necessário para emcobrir as minhocas) e depois de jogar as minhocas nessa água de anilina deixando-os pelo menos umas 4 horas para que adquiram a cor final. Ao pretender uma cor menos intensa, retirá-los em 2 horas.

Aí temos as minhocas com sua cor final, algumas verdes e outras avermelhadas

VYHkcvK.jpg

As minhocas que ficaram mais tempo na solução de anilina ficaram mais escuras

OumUV9s.jpg

Ao guardar as minhocas em suas bolsas, deitar um pouco de azeite com bastante sal para que não venham a adquirir ranço

Depois, a molhá-las para conferir os resultados. Como se pode notar, não ficam tão perfeitas, mas imprimem movimentos iguais às originais, de sorte que fazendo tudo certinho e pescando também certinho, os resultados podem ser bons como o das fotos abaixo.

a7CPics.jpg
JqPLaL2.jpg
y0FbdHB.jpg

Bom, aí temos algo para fazer em dias sem pesca! Espero que gostem! E lembrem-se: cuidado com o fogo, com o silicone derretido e com as anilinas!

Mãos à obra! 

Para me seguir nas redes sociais e ficar por dentro de novas publicações, basta clicar nos links abaixo:
Facebook
Instagram
Twiter

© Todos os direitos reservados sobre texto e fotos! Proibida a reprodução, porém permitido compartilhamento da matéria/texto em sua íntegra, sem edição através unicamente das ferramentas (vide botões abaixo) do Blog!

Se gostou, por favor, curta e compartilhe clicando nos botões de compartilhamento logo mais abaixo:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: