É Piau!

Meu amigo Maurício Hu, que escreve muito bem e sempre tem ideias geniais, enviou esta contribuição. Muito agradecido, Grande Maurício!

Maurício Hu

Mirinho sorvia devagar a pinga no copo, pensando em nada, ou quase nada, pois nunca que alguém já disse no passado que quando se bebia uma cachaça deveria se pensar em algo que não a própria, descendo, arranhando um pouco a goela, para afinal se encontrar no estômago e dar aquele início de queimadura que some logo em seguida, quando a língua estala e pede mais um gole da marvada.

Mas Mirinho pensou. Lembrou de algo que viu na TV de Rosmarino, aquele metido que até TV tinha em casa, embora a imagem fosse tão ruim que quase que só o som se salvava. Pensou alto falando para o copo

– A gente tinha que fazer um épiau aqui.

Pensou tão alto que os outros ouviram, e com a natural falta de novidade tão comum em bodega depois das habituais discussões sobre política, futebol, mulher e côrno, aquilo caia como mel nos ansiosos ouvidos dos freqüentadores habituais do bolicho do Antônio, o famigerado Pé N’água. Não que ficasse na beira do rio, esse estava a quase um quilômetro, mas mais devido às goteiras que Toninho nunca resolvia, preferindo secar as poças entre as mesas depois da chuva.

– Piau? Toninho, tem piau pra fritar? – perguntou Saborá.
– Tem não, só traíra.

Mirinho levantou os olhos do copo, indignado com a ignorância presente:

– Não é piau, é épiau.
– Épiau? Quéisso? – perguntou Rogério, sentado na primeira mesa, a única que tinha vista para o mato lá fora.

Altamirando respirou fundo, afinal não dava para conviver com gente tão mal informada, mas fazendo pose disse a todos:

– Épiau é quando as pessoas na cidade grande se reúne tudo no bar, à tarde, pra bebê e comê tira gosto.

Depois de poucos segundos de olhar bêsta, Saborá pergunta:

– E eles come piau frito?

O murmúrio corria nas mesas, afinal, onde é que eles iam pescar piau naquela cidade que tinha só um rio imundo que quase nem água tinha. Seu Alfredo disse, fazendo a todos rirem:

– Naquele rio dêles lá, só se for piau já comido.

Não durou muito a alegria, pois lembraram que também se podia comprar piau no mercado, e que lá na cidade grande o mercado deveria ser muito bem abastecido, com peixe de toda qualidade, desde lambari e mandi até pintado e dourado.

Mas Mirinho não agüentou de novo e disse:

– Mas cês são muito tonto, eles não come só piau, come tira gosto, mandioca, carne, coxinha, coisa assim. E todo mundo bebe, canta, conversa, fala di tudo. Despois, todo mundo junta e divide a dispesa no final, é assim o épiau.

O murmúrio ficou mais forte, que eita povo que sabe se divertir nessa cidade grande, que neste confim todo mundo só discute política, futebol, mulher e côrno.

– Ora – disse Saborá – vamo fazê o nosso também. Cada um dá um pouco e todo mundo bebe e come e toca a conversar.
– Mas num é o que gente faiz todo dia aqui? – Perguntou seu Alfredo.
– Dessa vêis é diferente, dessa veis é épiau. Vamo pôr o dinhêro na mesa, todo mundo.

Meio relutantes, pensando em que enrascada foram se meter nessa conversa esquisita de piau na cidade grande, todos colocaram algumas notas na mesa.

– Toninho, vê pinga e uma porção de piau pra todos nóis.
– Só tem traíra.
– Ora, vê traíra então.

Toninho olhou o dinheiro na mesa e apontou para a placa que dizia “Fiado só Amanhã”. O dinheiro não dava.

Siga-me nas redes sociais para saber de novas publicações. Basta clicar nos links abaixo:
Facebook
Instagram
Twiter

© Todos os direitos reservados sobre texto e fotos! Proibida a reprodução, porém permitido compartilhamento (vide botões abaixo) da matéria/texto em sua íntegra, sem edição através unicamente das ferramentas do Blog!

Um comentário em “É Piau!

  1. Estou gostando muito desse Blog, não somente pelos belíssimos relatos tirados do grande baú que nosso amigo Bomediano o mantinha para reviver sua mocidade quando iniciou a vida aventureira ao meio ambiente, assim como está fazendo e trazendo o Grande Mauricio com os mais belos contos e causos que me faz igualmente viajar e ficar com os amigos de pescarias noturnas em volta da fogueira proseando velhas passagens que nos levavam as gargalhadas. Parabéns HU e obrigado Bome por nos permitir essa continuidade de leitura.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: