Jornada à Maravilhosa terra Xinguana

Esta matéria foi ao ar no fórum Pescaki em 21/07/2009. Na época, por ideia do amigo produtor de vídeos, Renê Uchoas, tocávamos um projeto de gravação de um programa de pesca. Foram gravadas muitas imagens tanto nesta jornada quanto em outras Brasil afora, mas afinal nunca foi veiculado. Contudo, foi uma grande e proveitosa experiência, que enfim, serviu para que pudesse conhecer um grande caboclo como Renê.

Fotos dos Irmãos Bomediano e Paulo Grassmann.

Quando, numa grande curva do rio, deixou-se vislumbrar a belíssima imagem de um enorme jatobeiro (Hymenea stilbocarpa) senti-me como se não tivesse deixado aquele belíssimo lugar há dois anos. Sua presença imponente, com uma copa bem formada, perfeitamente simétrica, denunciando ter crescido em meio à mata fechada, denunciava também que fora, senão esquecido, pelo menos “guardado” para futura exploração e que isso, por algum abençoado motivo, não se efetivou.

O formidável jatobeiro

A realidade denunciava que estava, então, no Rio Kuluene, afluente, que a partir de seu majestoso encontro com o Rio Sete de Setembro, forma o glorioso Rio Xingu. De fácil navegação neste trecho, estes rios oferecem maravilhosas pescarias a quem os visita, de sorte a propiciar a pesca de espécies variadas, fazendo o gosto de todos.

O rio que vem da esquerda na imagem é o Sete de Setembro e o que vem da direita é o Kuluene. Desde o ponto em que se encontram, nasce o glorioso Rio Xingu.
Vendo o encontro dos rios mais de perto. à esquerda o Sete de Setembro, à direita, o Kuluene e abaixo na imagem, após o encontro dos dois rios, segue o Xingu
Aqui se pode ver uma ilha de areia e algo de vegetação. Esta ilha que aqui se pode ver, é a mesma que podemos ver desde o avião na foto anterior.

Partimos em uma jornada conjunta de amigos, quase todos advindos da participação em fóruns de pesca, o que vem mais uma vez comprovar que esta atividade foreira vem trazendo enormes benefícios ao povo que gosta de pescar. Embora houvesse gente nova, parecia que já nos conhecíamos há anos, de forma que esta jornada, além de prazerosa pescaria, trouxe-nos ainda um convívio de maravilha.

A Pesca

Meu convidado para companheiro de barco foi Paulo Grassmann, sujeito nota mil, que teve de suportar dividir o barco com este servidor. Um grande e especial Amigo, refinado no gosto pelo mesmo tipo de pesca, pelo que acabamos pescando exatamente da forma que mais gostamos. Com isso, delegamos a pesca com iscas naturais para segundo plano, dando total preferência pelas artificiais, na busca de tucunarés, bicudas e cachorras, muito embora alguns outros peixes menos aficionados a este tipo de isca também viessem a se fazer presentes. Os tucunarés do lugar não são de crescer muito, mas sempre proporcionam alegria a quem lhes dedica algum tempo.
 

Todos os peixes eram liberados, sem exceção

Ao mesmo tempo, entram bicudas e cachorras.

Nosso amigo Xinxa, com uma cachorra de respeito
Fábio com uma bicuda
Nossa amiga Bel com uma bela cachorra que capturou
Nossos amigos, o Casal Pellizzer, Bel e Serginho.
Meu sobrinho Mario Junior com uma cachorra olho-de-boi

Por força de um trabalho que ali fui desenvolver, acabamos dedicando apenas um dia à pesca com iscas naturais, quando então, foi possível capturar peixes como a matrinxã, a cachara, o jurupensem, o mandubé e a corvina, além de uma ou outra piranha. Pela mesma razão fizemos uma única jornada de pesca noturna, que rendeu apenas um pequeno jaú e uma raia muito bonita.

As matrinxãs se fizeram muito presentes na pesca com isca natural

Piranhas também

Piranha

Em nosso barco as cacharas foram muito comedidas, mas mesmo pequenas rendem boas brigas.

Alguns de nossos amigos andaram acertando com cacharas maiores.

Fabio com a maior cachara da jornada
Fabio e outra cachara um pouco menor
Fabio e Manoel Dias

Nossa jornada, muito embora tenha rendido bons peixes acabou não atendendo totalmente às nossas expectativas, pois o número de peixes capturados caiu bastante em relação às outras jornadas em que lá estive. Isso, obviamente se deve a uma condição sazonal.

Mesmo para quem dedicou-se a pescar com iscas naturais, percebi uma queda na quantidade de peixes, mas mesmo assim, vários foram os peixes de bom tamanho capturados, fazendo a alegria do pessoal.

De mesma maneira, Bel e Serginho andaram fazendo a festa com os de couro, mas não tenho fotos. Todavia, isso não falta lá no relato de nossa querida primeira dama.

Tínhamos programado uma jornada à Aldeia Uaurá, que acabou não se efetivando por conta de alguns indesejáveis e inesperados desencontros, fazendo com que isso fosse delegado para uma próxima oportunidade, para a qual já se empenha diligentemente meu grande amigo Atá, do Rancho Xingu e que deve realizar-se muito proximamente

Impressões sobre o local

Se por um lado a parte alta da região xinguana vem se apresentar muito parecida com algumas outras regiões do grande bioma amazônico, é por outro lado, uma célula inigualável quando percebemos algumas curiosidades dali muito peculiares, de sorte a tornar-se algo incomparável e de enorme significado.

Incomparável, porque é a área de ligação entre o mundo do branco e o mundo do índio, pois a parte alta do Xingu está justamente onde começa a área demarcada do Parque Indígena do Xingu, onde foram instaladas catorze etnias advindas de outras áreas e ali congregadas em uma grande comunidade indígena, através do trabalho de muita gente séria e dedicada aos índios, dentre eles os irmãos Villlas Boas, verdadeiros expoentes da saga xinguana.

Incomparável também, porque é também uma área que divide, que demarca muito bem, a parte preservada da parte totalmente, ou quase totalmente degradada pela ação do homem, de sorte que por ali vemos alguns extremos, onde existem enormes áreas de matas, confrontando com áreas ainda maiores totalmente desmatadas, denunciando que a devastação correu solta a ponto de tornar alguns trechos praticamente desertos.

Contraste entre áreas preservadas e já desmatadas

Algo muito bom de perceber é que Atá não desmatou, deixando suas terras praticamente da forma em que foram encontradas. Dentro de sua área há mata alta, há belíssimos buritizais e há a importante savana xinguana, de beleza incomparável. Tudo intocado! O rio em suas terras não só tem mata ciliar como também muito além da comum faixa beira-rio, denunciando que o proprietário é um preservador. Em nosso vôo para a pousada, mostrou-me que a parte de suas terras que confronta com a área do Parque Indígena do Xingu mescla-se à esta, tamanha a preservação, de sorte a confundir-se uma com a outra, propiciando gosto ao observador mais atento a este tipo de coisa.

Nesta foto, o início das terras dos índios que têm uma area de quase 30.000 Km2. Em primeiro plano, quase sob o avião, as terras do amigo Atá, muito preservadas igual às dos indios. Tremendo, isso!

Os bichos do lugar
Ainda que hajam muitos problemas de preservação, é possível avistar bichos dos mais distintos pelas margens, de sorte que alguma que otra boa foto é possível sacar.

Aqui, uma anta (Tapirus terrestris) que atravessava o rio Kuluene. Muito rápida, quase escapa da foto.


Um bando de quero-queros (Vanellus chilensis). Parecia que ali havia uma convenção delas…

As capivaras (Hydrochoerus hydrochoeris) são muito comuns nas margens, mas nem sempre tão facilmente fotografáveis

Uma sorte tivemos enviada dos céus, que foi poder ver e fotografar esta ave, a Harpia (Harpia harpyja), a mais grande das aves de rapina da América do Sul. Atualmente é raríssima sua aparição e certamente que demos muita sorte com isso!

Uma espécie parecida com a jacutinga, o cujubi (Pipile cujubi), que pareceu querer posar para as fotos e só saiu voando quando chegamos cerca de dois metros dele.

Jacarés. Esta espécie chamada de jacaretinga Caimam crocodylus é bastante comum por lá, mas durante o dia quase não se deixam ver.

Porém, à noite são tantos que se tornam fáceis de capturar. Então, capturamos alguns para fazer fotos e acabou sendo muito legal. Obviamente que todos foram soltos e não sofreram qualquer agressão.

Davi Detrinda com um jacaré. Só adrenalina!

Até uma cascavel resolveu posar para as fotos

A Equipe de Gravação, Renê Uchoas e Davi Detrinda

Nem tudo é alegria

Todavia, nem tudo é alegria! A região já começa a afetar-se pela ação danosa de uma represa no Rio Kuluene, de sorte que para os próximos anos teremos por ali, significativas mudanças, tanto para bem, quanto para mal. Se por um lado demonstra-se necessário e inevitável o barramento, por outro demonstra-se desastroso pela forma apressada como a que foi implantado.

Segundo apurei no local, o represamento denominado Represa de Paranatinga fechou suas comportas no início deste ano. Com isso, nesta última cheia já não houve a vazão do Rio Kuluene para a mata. De início, não se pode perceber o grau de prejuízo que isso pode conter, mas certamente o tempo se encarregará de demonstrar. Talvez a pesca em si, nem venha a ser afetada, pois as espécies sobem os rios, podendo continuar a vir do rio principal, ainda intocado, muito embora já haja planos de represamentos, também, de seu caudal.

Pior que isso é que estando represado, o Rio Kuluene, de grande caudal, principal formador do Rio Xingu, por certo haverá de modificar a rotina do rio principal, que atravessa todo o parque indígena, levando consigo todos os males que podem decorrer do barramento. A esperar, então, que o desastre não se estabeleça e que de alguma maneira o barramento possa ser compensado de forma a deixar a vida xinguana transcorrer em sua pacífica existência cujas manifestações de beleza possam seguir assim, encantando-nos, de sorte a fazer que para lá retornemos com alegria no coração e que de lá saiamos com a mesma alegria somada ao engrandecimento de espírito que a pesca nos proporciona.

Como se não bastasse este tipo de problema, some-se o desflorestamento. Nesta foto, percebe-se apenas mata ciliar em torno do Rio Sete de Setembro. O resto é área degradada e áreas de plantio ou pasto.

Agradecimentos

Mais uma vez agradeço ao grande amigo Atá, Ataualpa Catalán, que muito nos ajudou num projeto que estamos tocando, deixando-o ciente de que resultando bem, é um dos que mais contribuíram para sua concretização. De mesma forma agradeço a Renê Uchoas e Davi Detrinda pelo empenho em nosso projeto. A jornada também não teria sido a mesma se não estivesse presente meu irmão e guru, Mario, além de meu sobrinho Junior e meus sobrinhos adotados, Fabio e Paulo. Além disso, a especialíssima gente que nos acompanhou tornou tudo muito prazeroso e agradável de sorte a tornar inesquecível mais esta jornada ao Xingu. Muito obrigado então, aos amigos Oscar, André, Denise, Manoel Dias, Big Marcio, Emsalem, Ronaldo, Thiago, Thiago “Gigante”, Xincha, Halieuta, Luis Alberto, Leo, Luis Orlando, Diniz “Largo”, Bel, Serginho, e Kojak.

A ver quando poderemos novamente reunir gente tão especial!

Um caboclo que teve participação decisiva na jornada, foi Adeilson “Quati”, nosso guia e piloteiro. Caboclo calmo, dos bons, com ótima capacidade de perceber e atender às intenções dos pescadores. Quem for para lá, não deixe de tentar pescar com este cara!

Colhendo um pouco de Terra Xinguana para minha coleção

Gravo aqui, um agradecimento especial ao nosso parceiro João Callas, da Ballyhoo, que não só apoiou a jornada como também o projeto que estamos tocando. Muito obrigado, Grande João Callas.

Para me seguir nas redes sociais e ficar por dentro de novas publicações, basta clicar nos links abaixo:
Facebook
Instagram
Twiter

© Todos os direitos reservados sobre texto e fotos! Proibida a reprodução, porém permitido compartilhamento da matéria/texto em sua íntegra, sem edição através unicamente das ferramentas (vide botões abaixo) da página!

Se gostou, por favor, prestigie a página, curtindo e compartilhando clicando nos botões de compartilhamento logo mais abaixo:

4 comentários em “Jornada à Maravilhosa terra Xinguana

  1. Incrível postagem essa Bome, lindas imagens, excepcional variedade de peixes, isto hoje seria ainda possível? após as mudanças citadas a época…Sempre prazerosa a leitura de tuas postagens quando relatam o pantanal e região, penso que logo vem aquela feita na aldeia do Xingu.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Já tem tempo que lá não retorno, senão na área do Suiá-miçu, que também é afluente num ponto bem mais abaixo que o local onde nasce o Rio Xingu. As mudanças vinham afetando bastante a região, mas penso que ainda seja possível uma boa jornada por lá. Sim, logo logo, virá a matéria em que fui visitar uma aldeia, por ação e esforço de meu Amigo Atá. Grato pelo comentário, Grande Roque!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: